quinta-feira, março 29, 2007

Férias em Natal. Episódio 4. O Contraponto


Foto: Rodolpho Machado






Naquela mesma noite, as três amigas jantaram em um restaurante vegetariano, recomendado pelo consiérge do hotel. Rita estava avoada, sorrindo de vez em quando e continuava mexendo no dedo anelar vazio.
-“Ainda não voltastes da praia, não é, Rita?”, perguntou Lúcia com certa ironia.
-“Como? Claro, claro que voltei. Não estou aqui?”
-“Sim, teu corpo sim, mas tua cabeça ficou...” riu Sónia, achando graça em ver a amiga ruborizar.
Lúcia, que não perdia uma chance de animar a viagem, atirou:
-“Ah, mas pelo visto o corpo só veio por que foi obrigado, aposto que é ele o que menos queria estar aqui!”.
Rita sorriu e voltou a comer. Estavam cansadas do vôo, queria dormir cedo para aproveitar a praia no dia seguinte.
Mas não deixou de dar razão às amigas. Tivera uma tarde espetacular, o estranho que se aproximara não saiu do seu lado, e conversaram até perceberem que não havia mais sol. Diego era seu nome, e ainda não conseguia acreditar que ele ia viver em Portugal. Quanta coincidência! Ao se despedirem, Diego prometeu que as levaria no dia seguinte a um bar na Lapa, para conhecerem o famoso samba carioca. Rita não queria confessar, mas estava ansiosa em revê-lo.
Voltaram cedo para o hotel e foram descansar. Na manhã seguinte iriam a pé até Copacabana e lá curtiriam a praia.
Assim fizeram. O dia se alongou mais que o comum para Rita. Enquanto as amigas relaxavam bebendo água de côco, Rita olhava a posição do sol para tentar adivinhar a hora. Sentia-se adolescente.

Chegaram ao hotel e receberam um bilhete do recepcionista:
“21 hs no hall. Beijos. Diego”

Rita sentiu o estômago virar. “Que vestido uso? Ou vou de calça? Não, calça neste calor nem pensar. Tenho uma saia vermelha linda! Não, não vou de vermelho, ele vai pensar que quero alguma coisa! E eu não quero! Quero? Não, lógico que não! Ou quero?”

Às nove horas desceram, e logo viram Diego acompanhado de um amigo na recepção. Assim que a avistou, o carioca sorriu.
-“Você está linda, Rita. As três estão lindas!”
-“Rita levou horas para escolher este vestido!”, disse-lhe ao pé do ouvido Lúcia.
-“Você está uma gata de verde! Combina com você!”

Verde e rosa, já que ela logo corou...

Partiram rumo ao bar, e Alexandre, amigo de Diego, ofereceu o banco da frente à Rita.
-“Os intelectuais na frente!”
Lúcia logo gostou de Alexandre, foram até a Lapa dando risada e conversando. Alegre e divertido, Alexandre mal parava para respirar, de tanto que falava.
-“Ah, então Sónia acabou de se separar? Pô, aí... Olha só Diego, o Fred não é perfeito pra ela, não? Ah, Sónia, muito tempo com o mesmo aparelho não rola! Pó deixá com o Xandão aqui, desta viagem você não escapa! Cumpadi, passa o celular do Fred aí, vou ligar pra ele encontrar com a gente lá!”
-“Adorei teu amigo, Diego! Rita, ele é a minha versão maculina e brasileira!” comemorou Lúcia.

Tiveram uma noite maravilhosa, Fred logo chegou e se uniu ao grupo. Tímido como Sónia, Fred era piloto da marinha brasileira. Moreno de lábios carnudos, ele chamava atenção pela altura, e Sónia reparou que as mulheres no bar o seguiam com os olhos.

Rita e Diego engataram uma conversa sobre filosofia que afastou o resto do grupo. Os rapazes resolveram ensinar as portuguesas a sambar e deixaram o par na mesa.

De repente, Rita se assustou. Viu Alexandre curvado sobre Lúcia e suas mãos enroladas na cintura da amiga. Mais chocada ainda, ficou quando percebeu que Lúcia se entregava sem o menor sinal de culpa aos beijos do brasileiro. Sentiu-se sem ar. Sabia que Lúcia brincava e era despachada, mas não acreditava que ela pudesse realizar nada do que pregava. Ela era casada. Fonseca era amigo de seu marido.....
Seu marido.....
Seu marido......
Naquele momento percebeu que há dois dias não pensava em Luis. Estava tão envolvida naquele flerte infantil que se esquecera totalmente de sua vida em Portugal. De sua vida toda não, apenas de uma parte dela. Uma parte importante. Uma grande parte. Um marido.

Sentiu-se tonta e resolveram ir embora. Diego percebeu que havia algo errado, avisou os amigos, e Fred se ofereceu para levar as meninas ao hotel. Rita sentiu-se gelada, não queria ir sozinha com Diego. Olhou suplicante para as amigas, mas Lúcia apenas acenou e voltou ao samba, nos braços e nos lábios de Alexandre. Sónia parecia começar a se divertir com Fred, e nenhuma pareceu entender o pedido da amiga. Ou entenderam muito bem....

Durante a volta, Rita não parava de pensar em Luis. Parecia que todo o esquecimento voltava com o dobro de peso e culpa, e mal ouvia o que Diego falava.
Chegaram à porta do hotel e Rita se despediu rapidamente. Ele saiu do carro e gritou:

-“Amanhã vamos juntos à Barra da Tijuca, sim? Passamos aqui lá pelas 10. Você vai, né, Rita?”
-“Sim, acho que sim, às 10. Sim, às 10. Boa noite, até amanhã!”

Ipanema Plaza, 3:30 da manhã

-“Rita!!! Acorde!!!! Como foi? Vai, acorde, quero saber! Sónia beijou Fred e foi para a casa dele.”
-“Como? Como assim? Pra casa dele?” respondeu ainda sonolenta. Sentou-se na cama e se irritou com a agitação de Lúcia.
-“Claro! Vai tirar o atraso de anos de Reis! Finalmente! Mas e tu? Como foi com Diego? Que é isso em seu dedo? Tu pegastes a aliança de novo?”
-“Lúcia, não sei como consegues. Não pensas no Fonseca? Para mim, chega, amanhã conto que sou casada e páro de fingir que tenho 18 anos. O Luís. O Luís. Ele morre se souber!”
Rita havia se levantado e andava pelo quarto. Parecia histérica.
-“Rita, calma. Vou fazer uma única pergunta. Tu tens vontade de sair com o Diego, não?”
-“NÃO! Eu sou CASADA!”
-“Não perguntei isso. Perguntei se tens vontade!”
-“Ah, não sei, Lúcia! Acho que sim, não sei!”
-“Sim ou não?”
-“Sim!!!!! SIM, SIM! Lógico. Ele é lindo, muito mais culto que o Luis, e aquele sotaque..... Ai, meu Deus, aquele sotaque!!!”

Lúcia suspirou, sentou-se na cama e disse:

-“Então, amiga. Senta-te. Preciso contar-te algumas coisinhas. Vamos ver como ficas depois de escutar o que tenho a dizer...”


Continua semana que vem.....

6 comentários:

Capitão-Mor disse...

Essa história das senhoras quererem pagar na mesma moeda não é muito edificante, não acha? E esse comportamento de chamar amigos quando há um grupo de mulheres à solta é tipicamente brasileiro! :)
Mas estou a ficar curioso em relação aos últimos capítulos...

Tati disse...

pagar na mesma moeda?..... isso seria se elas aprontassem sem nenhuma culpa e pelo simples ato de aprontar. Pelo que vi, o Luis volta para casa como se nada acontecesse, como se fosse absolutamente natural viajar, deixar a esposa atrás e aprontar todas... Já a Rita..... Vai pagar em moeda beeeemmmm diferente, rsrsrs
Beijo grande!

Tati disse...

ps: mas pode crer, esse comportamente é mesmo tipicamente brasileiro. É sempre assim :Conheci um grupo de meninas, elas estão em três, vamos sair ju ntos? rsrsrs

Sofia disse...

Alguma revelação ?!?!?! Lucia já teve um caso com o Luis ?!?!?
Aguardo os próximos capítulos.
Abraços,

P.S. Esse capítulo de hoje me fez voltar a sorrir :) Obrigada pelas energias positivas.

Rubina disse...

Boa, boa. Não tenho muitas dúvidas que as mulheres, quando soltas, não são muito diferentes dos homens...lol...São é mais inteligentes...lol...

Tati disse...

Sofia, chegou O momento da revelação! rsrsrs
Fico feliz em saber que as coisas vão melhorando! E que vc volta a sorrir!

Rubina, concordo, acho que mais inteligentes e mais focadas! Por isso mesmo disse ao capitão que não pagarão na mesma moeda, a moeda é bem mais cara..... Para eles, claro...

Beijos