sexta-feira, março 09, 2007

Férias em Natal. Episódio 1. O Contraponto

Este texto é escrito atravessado com Capitão-Mor, que lançou o desafio a suas leitoras femininas. Ele escreveu em seu blog e história sob o ponto de vista dos maridos....


O relógio da sala de aula bateu o meio dia daquela quarta feira. Rita se despediu dos alunos e guardou seus livros. Professora de filosofia, alimentava-se da sede dos pupilos do terceiro ano da Universidade de Lisboa, que se envolviam nas discussões com entusiasmo . Adorava seu trabalho.
Já no corredor, seu celular tocou.

-Oi meu bem, como foi a aula?
-Foi ótima, Luis, hoje discutimos Nietzsche, estou com o coração a mil. A que horas você chega? Quero te contar os detalhes.
-Hoje é dia do jantar mensal com os rapazes. Acho que chegarei tarde.
-Jantar mensal? O Reis estará?
-Claro.
-Não acredito, depois de tudo que ele fez pra Sónia, você ainda vai se encontrar com ele?
-Rita, não tome partido, você não ouviu o lado dele. E eu acho que ele fez o correto, sei que você gosta dela, mas ela chegou no limite do suportável.
Rita ensaiou uma voz de choro, sabia que a reunião servia para falarem mal das esposas e articularem mais alguma contra elas. Aquele Ferreira era uma companhia péssima.
-Bom, já que tenho a noite só para mim, vou sair também. Não me espere acordado.
-Rit...
Fechou o flip do celular enquanto ouvia a vogal final da boca de seu marido.

Conheceram-se na rua. Luis a viu em frente a uma vitrine e se encantou com seu perfil angelical. Morena de cachos brilhantes, seus olhos azuis eram protegidos por imensos cílios. Luis aproximou-se, ela se assustou. Homem alto, Luis logo lhe chamou a atenção por suas mãos.
Rita gostava de mãos. Via nelas um traço da alma. As de Luis eram fortes, de falanges salientes e unhas roídas. Gostava de unhas roídas. Imaginou-o ansioso, um pouco tímido.
Dois anos depois estavam casados.

Viviam bem, apesar do ciúme exagerado que ele sentia. Perguntava sobre seus alunos, aparecia de surpresa na Universidade. Tinha ciúme especial de um antigo namorado, Adriano. Brasileiro, muito bonito e bronzeado, o rapaz um dia os encontrou no cinema, e desde então, Luis fazia comentários sarcásticos sobre o Brasil. Referia-se ao suposto rival por “brazuca”, “índio” e jurava que jamais iria “àquele país infernal.”
“Brasil, nunca!”, era seu slogan.
Puro ciúme.

Naquela tarde, Rita sentou-se para trabalhar em sua tese de doutorado, mas não conseguia se concentrar. Sabia muito bem que de um encontro com Ferreira, nada de bom poderia sair. Os desajustados dos amigos do Luis já haviam feito a cabeça do Reis contra Sónia, e agora ela estava sozinha, com Ana e Lucas para criar. Rita a ajudou durante a viagem que os maridos fizeram à Espanha, pois a pequena Ana teve pneumonia. Passaram três dias no hospital, e Reis não se dignou a voltar para a família. Inconformada, Rita não teve vontade de se dirigir a Luis por duas semanas. Ele seria assim também com ela, quando tivessem filhos?

Ligou para Sónia. Não ficaria em casa sozinha, e sabia que a amiga precisava de um ombro. Além de Sónia, chamou Lúcia, esposa de Fonseca.
-Quero ir a ao bistrô, já faz muito tempo que não como Foi Gras, disse Lúcia ao telefone.
-O bistrô é caro demais, replicou Rita. Estamos guardando dinheiro para comprar um carro no final do ano, acho que não posso ser assim tão extravagante.
-Ah, mas amiga minha não paga, Rita. Você e Sónia são minhas convidadas. Pago nosso jantar no cartão de Fonseca. Pensando bem, faz tempo, também, que não tomo champagne.

Bistrô, Lisboa, 22:55h

Sónia lamentava-se, inconformada com as atitudes de Reis. Não tanto com o divórcio, mas com pequenas posturas dele desde a decisão.
-Parece um adolescente, agora. Coloca a camisa para dentro da calça, usa perfume. Disse que ia pintar os fios brancos que começam a aparecer.
-Pintar os fios brancos? Ah, aqueles dois restantes em volta da reluzente pele craniana, disse rindo Lúcia, que sempre levantava o astral das amigas. Vamos, amiga, você se livrou de uma bomba. Sempre achei que você era mulher demais para aquele chato. Até Fonseca dizia isso – Reis é meu amigo, mas Sónia sempre foi muita areia para seu pequeno caminhão.-
Sónia riu baixo, um pouco envergonhada. Para conter a gargalhada, engasgou-se com Veuve Clicquot que regava o trio, às custas de Fonseca.
-Pequeno caminhão.... Pequeno caminhão..... – explodiu num riso libertador- Pequeno não era o caminhão, mas a mangueira.
- E você o confortava com aquela baboseira de que "tamanho não importa"?
-Siiimm!!
E as três explodiram em riso!

Riram tanto que os elegantes vizinhos de mesa se voltaram para elas.
Após enxugarem as lágrimas das gargalhadas, respiraram fundo e decidiram que era a vez delas.
-Vamos sair de férias juntas! Chega de agüentar as histórias deles, sempre eles, juntos, Espanha, Londres, cansei. Luis não pensa duas vezes antes de se enfiar em um quarto com aqueles brutamontes, por que tenho que ficar em casa à espera? Nós três. Agora seremos nós. Iremos em dezembro! Para onde?
-Taiti. Taiti, Rita, Sónia lá achará mangueiras dignas de assim se chamarem e ficaremos cozinhando nas águas azuis. Ai, aqueles bungalows de frente ao mar...
-Lúcia, por que você acha que este é o destino de sonhos de todo habitante da Terra? Por que é o mais caro. Não, não posso gastar, vamos comprar o carro, Sónia acabou de se divorciar, pensei em algo mais acessível, mas ainda assim inesquecível. Pensei em Brasil.
-Brasil?!!!! Levamos o Adriano como guia particular! Sónia, aposto mil euros que Adriano rega bem mais longe que Reis!
-Pára, Lúcia, que maldade, respondeu Rita, enquanto notava que Sónia esboçava um sorriso pensante...
-E Luis? O que dirá sobre o Brasil?? Já nos basta uma divorciada!
-Nada, não dirá nada. Eu não reclamei de Espanha, ele não poderá reclamar de Brasil.

Juntas, deram um gole da comprida taça. Fecharam os olhos, para melhor sentir as bolhas coçando a garganta. Aproveitaram a escuridão para sonhar um pouco com dezembro.

Na saída, Lúcia trombou uma moça que chorava. Loira, miúda, usava batom cereja e tinha os lábios carnudos. As lágrimas levavam o rímel preto, que manchava seu rosto.
-Jasmim! Jasmim, querida, o que houve?
Jasmim era irmã de uma aluna de Rita. Tinha seus 20 e poucos anos, bebia muito e não estudava. Rita a conheceu em uma reunião de Natal na universidade, e sentiu muita pena da garota, parecia frágil e assustada.
Sentaram-na em um bar e lhe ofereceram água.
-Conheci um homem na semana passada, dizia ela entre soluços, um homem de verdade, não esses moleques da minha idade. Já faz uma semana, estou desde cedo telefonando e ele não me atende.
Jasmim parecia alcoolizada.
-Calma, ele deve estar ocupado, ou deixou o celular em algum lugar. Bateria! Pode ter acabado a bateria, sugeriu Sónia.
-Qual bateria qual nada. Estou desconfiada, ele me convenceu a usar um esquema para ligar, tenho que usar um número confidencial. Não gosto nada disso, e não sei onde ele mora.
-Esses homens... suspirou Lúcia.
-Pois é... Esses homens...

Continua semana que vem...

19 comentários:

Rubina disse...

Hilariante!!! :) Tou a gostar mais da parte feminina, sorry Capitão. Tati vamos dar cabo dos gajos, vale? lol

CaCo disse...

Muito bom!
Luís casado com uma filósofa? Acho bem.
Discutindo Nietzsche? Delicioso.
Unhas roídas? AhAhAh
Rita se doutorando? Fantástico.
Gostei muito.
Gajos, se cuidem!
Beijocas.

Anônimo disse...

Bom texto, mas pelo visto isso ainda vai acabar com protuberâncias na testa de alguém...
Taubrós!?

Maríita disse...

Olá Tati,
Vim cá para ler este contraponto que está uma maravilha! Muitos Parabéns!!!

Vou voltar mais vezes.

Um abraço

Capitão-Mor disse...

Parabéns! Acho que existem muitos potenciais romancistas pela blogosfera. Vi que conseguiu apanhar todos os pormenores da minha história. Adorei aquela parte em que pagam com o cartão do Fonseca. LOL!
Mas as meninas também vêm para Natal!? Cuidado, porque acho os homens daqui um pouco feios. Aconselho-vos Floripa, Rio, RGS...
Bom fim semana!

AnadoCastelo disse...

Oi Tati,
Vim aqui pelo contraponto do capitão-mor e adorei. Está uma história deliciosa até parecia uma série que dá aqui em Portugal que se chama "O sexo e a cidade". Espero a continuação.
Beijinho

Anônimo disse...

Olá,
Parabéns! Mas, vocês vêm encrontrar com os Portugas aqui?

Tati disse...

suspense.... hahaha!
Que bom que gostaram, e Capitão, nada melhor para esposa de um mão-de-vaca que uma bela perdulária!!!

E Natal???? Não, acho que reservei outro destino mais afeito a homens gatíssimos no Brasil.......

Beijos a todos e sejam benvindos!!

Breaking the Waves disse...

Adorei!

Muito bom o contraponto com a versão do Capitão. Adversária à altura, hein Capitão?!?! hehehehhe

Beijinhos e bom fim de semana

Sofia disse...

Uauuu!! Melhor que encomenda !!
Capitão que se cuide e espere a revanche feminina ;)

Abraços,

Anônimo disse...

Muito bom... Adorei!!!
As mulheres são fantásticas mesmo!
Só quero ver onde isso vai dar!
Beijos
Carolzinha

Carol...a marketeira orgulhosa disse...

ah como boa mkteira que acredito ser, acredito que a fórmula é mto boa!!! historia, suspense e curiosidade...isso vai lhe render um bom reach! bjo

(nota para os leigos: Executivo, reach:alcance. Em termos de marketing, alcance da propaganda em direção a uma audiência cumulativa.)

Capitão-Mor disse...

Posso-lhe adiantar que terminei a minha história de rajada. Ao todo serão sete episódios! Vai encarar? :)Bom, o "tamanho" da sua ficará ao seu critério...

Tati disse...

se eu vou encarar????? sou filha de gaúcha, dou um boi pra não entrar e uma boiada pra não sair!!!!

LoiS disse...

Cara Tati, essa personagem, o Augusto Luís aka Luís, está muito bem retratada por si.

Aviso que no meu canto, esse Augusto Luís não se apresenta como casado, mas sim como um "Don Juan" de má bebida.

É no entanto bem capaz de se apaixonar por uma filósofa pois as mentes acabam por atrai-lo sempre mais que muitos corpos ( claro, mas só depois de muitos corpos ... e isso dará para muita história ).

Bjs
LoiS

Capitão-Mor disse...

Já foi publicado mais um contraponto feminino. O link está lá nos trópicos. Ah, esse menino Lois é um dos percursores das blogséries! :)
Boa semana para si

Mônica Montone disse...

Legal essa idéia de mostrar os pontos de vista diferentes :O)

Boa semana, bonita!!!!

beijocas

MM

Maríita disse...

Tati, no que nós nos fomos meter com estes meninos...sete episódios a aguentar com os egos mal medidos deles...

Beijinhos

Tati disse...

pois é, haja fôlego... mas vamos lá, tudo por amor á palavra escrita, rsrsrs
beijos a todos!!