domingo, julho 29, 2007

O Morro dos Ventos Uivantes

Não, não é um post sobre literatura, não...
É sobre nossa casa nova...
Mudamos ontem, hoje consegui um computador ligado ao mundo na casa da sogra e resolvi falar um oi para vocês.
Um oi gelado, de cabelos embaraçados, e cara dura, do vento...
Nossa casa fica no terreno mais alto do condomínio. A vista mais bonita, mas certamente o canto mais frio do lugar.
Para piorar, o marceneiro ainda não entregou a porta da entrada, então o vento tem passagem livre pela casa.
Mas sobrevivemos à primeira noite, com foundue, DVD, manta no sofá e edredon na cama.

Mudança é algo profundamente interessante. Quando eu tinha meus 20 e poucos anos, saí de uma casa de 300 e poucos metros quadrados para um apartamento de seus 80. Lembro que metade dos nossos móveis ficaram em um depósito, e que nos sentíamos apertadas e presas, amontoadas em coisas que não tinham espaço para se acomodarem.

Desta vez, foi dramaticamente o oposto...
Saímos de um "apertamento" de uns 60 e pouquíssimos metros para uma casa de... bem digamos que é uma casa beeem grande. Todos os nossos móveis couberam na sala de jantar, pois ainda não podemos usar a sala de estar por causa da umidade do piso. Mas sinto que assim que o piso ficar seco e mudarmos o sofá de lugar, ele vai magicamente sumir, no tamanho do cômodo.
Se o mobiliário enchia confortavelmente nosso "apê", faz com que a casa pareça um enorme galpão...

Sei que com o tempo vamos adequando os móveis à casa, quero é ver se com o mesmo tempo eu me acostumo com outras coisinhas...
Em primeiro lugar, eu não vejo mais o Sr. Jeca.
Se eu estou no quarto e ele na cozinha, posso berrar que o zuiiiim do vento me abafa. É estranho não topar com ele a cada metro da casa. Solitário...

Casa tem barulhos típicos, que não se ouvem em prédio. Em prédio, qualquer passo escutado é imediatamente atribuído a um vizinho barulhento.
Em casa, ouviu algo bater na garagem? Pega o machado e vai ver... Só ontem à noite desci umas 10 vezes para constatar que era o vento que balançava os plásticos da caçamba da obra...
(sim, ainda estamos em obra... Amanhã voltam pedreiro, marceneiro, pintor, encanador, etc.)

Por outro lado, não acordar com o barulho dele no banheiro, com a TV na sala e com o ônibus na rua é espetacular.
Saber que você pode andar de salto sem que o interfone toque também...
E melhor, saber que quando seus amigos não tiverem dinheiro para passar frio em Campos de Jordão ou em São Joaquim eles poderão se encapuzar no seu ninho, se entregar ao vento e te fazer companhia, então... Sem preço!
Inté!!

14 comentários:

Gatta disse...

E não se esqueça de uma das melhores partes: dá pra ter um cachorrão no quintal. Não sei se vc tem cachorro, mas se não tiver, esse é o momento ideal para pensar no assunto!
Bjs

Cláudia disse...

Oi, Tati!!! Feicidades com a casa nova, que delícia!
Mudei certa vez de um apê de 75m para um de quase 300, em Lisboa. Nos primeiros dias eu fiquei até com dor nas pernas, de tanto andar pra lá e pra cá dentro de casa, depois acostumei.
Daqui a pouco vem a deliciosa fase de comprar coisas para encher a casa nova, vivaaaaa!!
beijo

Anônimo disse...

Encher os espaços é a parte fácil:
- mesa de bilhar;
- alvo de dardos;
- uma boa e recheada adega;
- som (põe logo um palco...);
- algumas luminárias;
proto: voceis moram num pub!

(Parabéns)

Taubrós!?

Rubina disse...

Tati

Mas olhe que o título dá um bom livro, e vice-versa. Parabéns pela casa nova. É tão gostoso construir o nosso espaço. Beijão

Anônimo disse...

Parabéns pela casa!! Ficou linda, viu!!
Tenho certeza que ainda vai protagonizar momentos incriveis!!
Ah, e pode incluir os cunhados nessa turma que troca Campos por Itavento (acabei de criar...rs)...estamos dentro!!
Beijocas
Carol Escandura

Paps disse...

Eh, menina. Quanto aos barulhos, sei exatamente do que você está falando. Quando eu mudei de apartamento para casa quase não dormia de noite. Até identificar todos os barulhos... Leva um tempo.
Mas vai dar tudo certo, com certeza. Espaço é o que há!
Boa sorte na casa nova!

Sofia disse...

Parabéns pela casa nova.
Que seja apenas uma das mudanças boas na sua vida.
Abraços,

Anônimo disse...

Quando entrei aqui em casa devo confessar que também fui olhar EM TODAS AS JANELAS que barulho era aquele que me despertava todas as imaginações possíveis!!! he,ehh,e... Been there!!! Boa sorte na casa nova e quando esquentar nós vamos te visitar!!! heehehe....
Karina

Tati disse...

Gatta, temos 3 lindos no sítio, e na casa não temos portão, então cachorro por ora, só sonho....

Clau, eu tb senti a dor nas pernas, de tanto fazer agachamento... rsrsrs

Taubrós, quando eu for montar um pub já sei quem será meu decorador!!! Já anotei, viu??

paps, estou me acostumando aos poucos, principalmente com o barulho do telhado, parece que tem alguém andando, rsrsrs

Sofia, obrigada, de coração!

Ka, se bem que você entrava em quarto de hotel em LA e NY e checava os armários, lembra?...

Gatta disse...

A GZ deu um tempo no mundo virtual, foi se dedicar a projetos pessoais. ;)

Agora quem comanda é a Gatta.

Entendeu?

beijos

Mônica Montone disse...

Querida, adoro casa nova!!!! Adoro mundar, sério.

Poder redecorar, adoro, adoro.

Continua na roça? rsrsrs*

beijocas e sorte na casa nova

MM

Carol Montone disse...

Delícia mudar...parabéns por esta nova etapa da vida e pelos textos leves , bem humorados...adoro seu potencial descritivo...sempre rio muito linda...deu vontade de ir tomar um friozinho aí .......quando vais er a festa de inauguração???
beijos grandes e muita luz pra vocês....
ops..minha mana passou por aqui ...nos amamos inventar as mais loucas modas nas casas ...é tão bom ter um canto né???
ps: meu blog deu pau e não consigo anexar nada de imagem...sou ignorante total nesses assuntos...tô irritada confessa....apesar de estar numa fase de exercitar o contentamento (risos) beijos beijos
Carol Montone

Vicky Meiotta disse...

Nossa, que delícia! Viajei no pensamento enquanto lia a descrição e, confesso, por mais urbana que eu ainda seja, senti invejinha branca do seu novo château!

Tati disse...

gatta.... capicce!!!!!!

Mô, agora sim estou na roça... Já já posto sobre minha maior jequice....

Carol, nem te imagino irritada, querida... Doce como doce de abóbora com côco.....

Vicky, é a eterna grama verde do vizinho... Eu ando correndo atrás de caminhão pra respirar poluição, rsrsrs

Beijos