quinta-feira, dezembro 07, 2006

ALA: Associação dos Livrólatras Anônimos

(Eu, de pé, em frente ao grupo)

"Oi, eu me chamo Jeca e sou livrólatra!"

(Grupo, todos a uma só voz)

" Oi, Jeca!"

Alguém conhece algum grupo de apoio a livrólatras? É, é isso mesmo, não tem o alcóolatra? o chocólatra? as mulheres que amam de mais? Então, eu preciso de um grupo para livrólatras....

Já passei por um grupo de apoio destes, no talvez mais vergonhoso episódio da minha vida. Na época, jurei, em pacto de sangue, à amiga que me acompanhou, jamais contar tal mico, jurei levar aquela noite de inverno californiano para o túmulo, mas como já se vão quase 10 anos e sei que ambas superamos tal fase, vou dividir com vocês, sem citar o nome dela, claro...

Morava em Los Angeles, e junto com uma amiga, estávamos acima do peso... coisa de 6, 7 kilos... Aulas diárias de spinning, tentativas enganosas de dietas, nada resolvia, e as duas se entupiam de comida de avião e tentações norte americanas que pulavam das gôndolas do Ralph´s.

Um belo dia, a sublime idéia:

"Vamos a uma reunião dos comedores compulsivos!!! Somos nós, claro!!! Quem no mundo come mais que a gente???"

Yellow Pages, Blue Bus e lá estávamos nós, em um salão de igreja quase no centro de LA. Aí começa o mico.....

As duas garotas entram, com suas banhinhas ainda cabendo na calça, encontram um círculo de OBESOS mórbidos, que nos olham com certo estranhamento... Sentamos.

"Hi, I´m Jack, and I´m a compulsive eater!"
"Hi, Jack!"

E Jack conta sua história... Resumindo: uma geladeira cheia por dia, falido por causa da comida, perdeu o emprego e a família devido ao vício...

NEXT!!

"Hi, I´m Linda and I´m a compulsive eater!"
"Hi, Linda!"

Esta, no funeral de seu pai, acabou com todo o suprimento do buffet antes mesmo do corpo chegar..... Comida para 50 pessoas, na barriga dela... Em questão de horas...

NEXT!!!... Histórias escabrosas, medonhas, tristes... E eu pensando no pote de Ben and Jerry´s que eu tinha comido metade naquele dia..... Será que ia colar???

Chegou a nossa vez.... Acho que eles estavam loucos pra ouvir nossa história.... Pensei em inventar alguma coisa, tipo assaltante de supermercados, banheira cheia de sorvete, minha estranha mania de comer maçã com sal, mas ao olhar aquelas pessoas que REALMENTE tinham um problema, dei um sorrisinho tímido e disse que não estava à vontade para falar naquela noite....
"É muita emoção na primeira noite, sabe?...snif"
Minha amiga fez o mesmo....

Saímos de lá correndo, mudas no ônibus de volta...... Assim que descemos no nosso ponto, na bela Wilshire, a salvo, quebramos o silêncio vergonhoso e fizemos o pacto.
Claro que a realidade de nossa falta de capacidade de fazer um regime decente ficou claríssima e hoje as duas perderam os kilos extras e certamente se lembram daquele noite com um misto de vergonha e graça....
Rendeu boas risadas e um enorme aprendizado...

Mas ia falar dos livros.... Ah, por que isso sou mesmo! Livrólatra....
Do tipo que termina um livro maravilhoso e tem crise de abstinência. Vontade de correr pro túmulo do cara e exigir a continuação!

"Como Dostoiévski só escreveu 697 páginas no Os Demônios??? Só isso??? Como eu vou viver sem o Nikolai Vsivolódovitch???"

Tenho muito essa sensação, de tristeza profunda por que não vou mais fazer parte da vida daquelas personagens....

Como o Jack, certos livros também atrapalham minha vida....
Segunda feira comprei o terceiro volume das Brumas de Avalon, cujos dois primeiros devorei mês passado....
Hoje passei a TARDE TODA sentada lendo, até acabar!!! Roupa pra passar, faxina por fazer, dissertação por escrever e eu em Avalon, torcendo pra Morgana casar com o Acolon, querendo ir pra corte de Arthur dar uns tapas na chata da Gwynefer, maravilhada pela beleza do Lancelote.

Ao acabar o volume 2, meu marido e minha mãe ficaram muito preocupados, com sérias idéias de internação urgente, pois eu passei um dia no sítio falando com as árvores, agradecendo à Deusa pela jaboticaba, pela pitanga.... Ao menor sinal de repreensão deles, eu respondia:
"Eu sou a representação da Deusa, sou uma sacerdotisa de Avalon!

Amanhã SEM falta, tenho que procurar meu traficante, o sr. Saraiva, pra ter o quarto e último volume...

Último..... ai, calafrios....

Algúem sabe é o túmulo da Marion Zimmer Bradley????

"Oi, eu me chamo Jeca e sou livrólatra!"

"Oi, Jeca!"

Inté!

7 comentários:

Anônimo disse...

Ah, mas isso é grave! Seu marido ficou sem a roupa passada por causa disso??????
hahaha
Re

MH disse...

Eu sou igual! Quando estou terminando um livro, tento até enrolar mais em cada frase pra não ter que me despedir tão rápido daquele mundo (sim, os personagens são meus amigos. e doida é a vovozinha!). E as Brumas de Avalon, li 2 vezes. A primeira ainda no colegial, varava a noite lendo, terminei todos em pouco mais de uma semana. Mal conseguia me manter acordada nas aulas... E reli faz uns 2 anos, por prazer, e mergulhei naquele mundo maravilhoso de novo. Tem outro livro excelente dela, Uma Casa na Floresta, acho que é esse o nome... e minha mãe era viciada na série Darkover (meio sci-fi, mas são vários livros).
Livro é tudo de bom!!! Meu sonho de consumo era achar alguém que me pagasse pra fazer isso: ler!
Oi, meu nome é MH e sou livrólotra!

Tati disse...

"Oi, MH".... (diz o grupo)
Já anotei a dica da Casa da Floresta, sei que vou precisar no processo de despedida das Brumas.....
Parar de uma vez pode dar tchiutchi...
Beijo

Mônica Montone disse...

Ai, jesus, tô precisando ler mais...... você citou alguns livros que estão na pilha dos não lidos e me assombram... ui, ui

beijos

MM

Tati disse...

Mô, pilha de não lidos que assombram acho que todos temos.... As Brumas mesmo, ficaram na espera por anos....
Tenho alguns clássicos que me assombram, Em "Busca do Tempo Perdido", "Ulisses", do Joyce e vários outros... Um dia chego lá...
No momento estou encarando um deles, em seu lindo e difícil exorcismo... Comecei a ler a primeira parte do "Fausto", do Goethe.... Se ele levou a vida pra escrever, eu é que não tenho pressa, vou devagarinho, mas vou...
Beijo grande!

Cláudia disse...

A sua descrição da reunião dos comedores compulsivos parece a cena do Bridget Jones, No Limite da Razão, em que ela está presa na Tailândia e diz que o namorado a tratou mal, e as demais detentas começam a falar as coisas medonhas que os namorados faziam com elas, como bater, obrigar a se drogar ou se prostituir e ela nem tem mais o que dizer.

Tati disse...

pois é, clau, perfeita sua comparação...... foi bem assim, hoje é pra dar risada, mas no dia, passamos uma super vergonha....
beijos!