quinta-feira, maio 17, 2007

Papo de academia 1

Eu já fui rata de academia. Quem me conheceu somente na fase “urbana”, me associa imediatamente ao nome de uma grande academia de São Paulo, pois eu só faltava levar meu colchonete e levantar lá acampamento. Chegava às 6 da manhã, ia trabalhar e às 5hs30 estava de volta, para terminar o treino.
Louca.
Desvairada.
Neurótica.
O convite que uma amiga fez para meu chá de cozinha diz tudo...



Fiz treino de tudo quanto é jeito, até cair nas mãos de um maluco que queria me inscrever em um concurso de fitness. Sim, fitness, o plano era eu ficar trincada e passar óleo no corpo... Provavelmente ganhar uns fios de barba também, pela quantidade de proteína que eu consumia...
Fiz treino de força, ganhava no leg press de TODOS os homens que freqüentavam a academia de manhã.
Eles fugiam de mim, não queriam treinar ao meu lado, talvez de vergonha.... Ou medo, sei lá.
Até o dia que eu conheci o Yôga. A bam bam bam dos dumbells não conseguia agüentar o peso do próprio corpo e não tinha nada de flexibilidade.
Pirei.
Parei.
Meses depois eu ouvia das pessoas “nossa você emagreceu!”, “você está com uma cara ótima, malhando muito?” e eu dizia:
“Nada. Parei! Parei e emagreci!”

Claro, na verdade eu tinha é perdido toda aquela massa muscular que me deixava redonda, mas a calça jeans dizia: 10 kilos a menos.
Isso aconteceu no meu último ano de São Paulo. A transição foi árdua, eu me sentia atraída pela musculação, pois ali eu dominava o terreno. Detestava a idéia de fazer bíceps com 4 kilos, me sentia humilhada...
Conhece o “ou tudo, ou nada?”
Continuei na academia até vir embora pra roça.
Chegando aqui, o estímulo acabou por completo.
Uma coisa é você acordar e saber que vai para um lugar com milhares de opções, aparelhos novos, dependências modernas. Outra coisa, é ter que escolher entre 6 e meia dúzia, é saber que a melhor academia da cidade nem de longe pode querer ser chamada de “melhor” em alguma coisa.
Mas em nome da geração saúde, vamos lá... ÍSSA.....
Musculação nem pensar. Depois de esfriar o corpo de anos de peso, vejo as cicatrizes que ficaram. Ombro direito estropiado e cotovelo esquerdo sensível.
“Cotovelo??”
Sim, acredite ou não, lesionei o cotovelo de tanto carregar as “bolachas” pro leg press....
Mas o famoso e suado aeróbico ainda encaro.
Pra quem ia de segunda a sábado, sem faltas, ouvir do atual instrutor:
“Ah, por isso que choveu hoje, você veio!!!” é no mínimo engraçado.
Outro dia passei em frente e me escondi, pois ele estava na porta... Coisa feia. Bad girl!

Costumo brincar, se o instrutor da academia daqui se encontrasse com os que me conheceram na metrópole, achariam que tenho múltipla personalidade....... Pessoas diferentes, no mínimo.
Mas sem remorsos.
Faço meu Yôga todos os dias, sou mais flexível e menos neura...
Continuo louca, desvairada, por que este post era pra ser sobre ooouuutra coisa, sobre um papo que ouvi no vestiário...
Mas enfim, continuo na parte 2....
Inté!!

9 comentários:

Gastón disse...

É, eu lembro que a tati uma vez esmurrou um cara só porque ele pegou o dumbell de 60 libras antes dela. Depois daquilo eu mudei de horário.

Cláudia disse...

A frase do convite é a melhor: do tanquinho à pia!!! Sensacional!
Por acaso era a runner jardim sul, aquela que ficava dentro do shopping e parecia mais uma sauna turca superlotada?

freemind disse...

Exercicio é bom, mas eu tento nãoe xagerar mesmo... é mais fácil manter assim. É que quando se tem muitot empo livre e se exagera, depois quando a vida muda e deixamos de ter tanto tempo livre assim o corpo ressente-se.

Garota do Zippo disse...

Eu nunca tinha ouvido o termo "dumbell" até ler o seu post, hehehe.
Mas tudo é fase né... Nunca puxei ferro, eu fazia a tal da localizada e tooooodos os Bodys XYZ que existissem (Body Combat, Body Attack, Body blá blá blá).
Agora, esse convite é DEMAIS! Guarda um num apasta de recordações, ficou mto legal.
bjs!

Tati disse...

Gasta, isso que vc não viu quando arremessei uma bolacha de 45 libras, como freesbee, na cabeça de um bombado lá... saiu chorando, rsrsrs

Clau, minha história de amor com a Runner é longa...comecei na CPT, na chácara santo antonio. Depois fui sim pra Jardim Sul, até o dia em que cheguei 5 e 50 da manhã pra malhar e tinham fechado....
Voltei pra CPT até a Spectrum, na frente do shopping ficar pronta. Depois de casada fiquei entre a Spectrum e a Indianópolis....
Fora as vezes que ia na Runner Club, pois é perto da USP.....
Rodada.....

Freemind, foi exatamente isso que aconteceu.... Exceto que eu não tinha nada de tempo livre, encaixava minhas loucuras no parco espaço no dia....

GZ, o convite está guardadíssimo, no comp e na pasta do casamento... Um dia a amiga que desenhou ficará famosa e eu vendo em u leilão, hahaha
beijo

Capitão-Mor disse...

Estou vendo que a Tati foi uma das primeira vítimas da vigorexia!!! :)
Quanto a exercícios físicos sou mesmo ás no levantamento do copo!

Bom fim de semana

Rubina disse...

Tati

Fico a aguardar o episódio 2, ok? Beijo e bom fim-de-semana!

Carol Montone disse...

Tati eu não te aguento mulher...rs
O Yôga tb tá me colocando nos eixos...rs
vc é linda de qualquer jeito (mas acho ridículo mulher musculosa...músculo é para homem...) e louca é melhor ainda e para constar tudo o que escreve é show...nossa tô puxa saco né???mas curto mesmo.....bjs
Ah e o óleo agora neste seu corpo sequinho e delineado deve ficar..muuuuuuito melhor...Seu bofe deve concordar comigo....penso

Carol Montone disse...

Tati eu não te aguento mulher...rs
O Yôga tb tá me colocando nos eixos...rs
vc é linda de qualquer jeito (mas acho ridículo mulher musculosa...músculo é para homem...) e louca é melhor ainda e para constar tudo o que escreve é show...nossa tô puxa saco né???mas curto mesmo.....bjs
Ah e o óleo agora neste seu corpo sequinho e delineado deve ficar..muuuuuuito melhor...Seu bofe deve concordar comigo....penso