segunda-feira, junho 25, 2007

RoçaVideo

Um dos lugares mais divertidos daqui da roça é a locadora. Digo divertido por causa de dois dos atendentes que trabalham lá, que me fazem rir sempre que vou.
Os dois são bem jovens, coisa de 20 anos no máximo, e são gays.
Mas vocês têm que entender uma coisa: ser gay nas metrópoles é uma coisa. Na roça, outra beeem diferente.
Em primeiro lugar por que em uma cidade grande os preconceitos se dissipam, todos têm o seu lugar e vamos combinar, hoje em dia muito macho de carteirinha vem imitando e até invejando o estilo de vida gay. Mais elegantes, melhores baladas e comprovadamente mais alto poder aquisitivo.
1 a 0.

Na roça esse lance de preconceito dissipado é coisa futurista, talvez chegue com a linha de trem do progresso, daqui há uns cem anos. Então nem posso sequer imaginar o que estes meninos sofrem com comentários na cidade. Quando um deles descobriu que eu já morei em Nova York, quase teve um infarto.

-Um dia eu saio daqui, um dia eu vou morar em NY!!!!

Mas pelo menos ali, trabalhando juntos, eles conquistam os clientes com um bom humor além do comum, sempre sorrindo e com vontade de ajudar.

Outro dia, enquanto eu pagava os filmes, vi um senhor carrancudo no balcão. Só faltava o chapéu de palha e o cavalo atracado na porta. Um dos meninos, que muda a cor de cabelo como eu mudo de meia, começou a brincar com o jeca.

-Seu Luís, qual a locadora mais l-e-g-a-l de Itatiba?
(lembrem-se de ler esta frase com sotaque capira e tom "siclééte, zanééte e cocrééte")

Seu Luís carrancudo mudo.

-Fala Seu Luís!! Qual a locadora MAIS L-E-G-A-L de Itatiba???

Seu Luís resmunga.

-Ah, então tá! Então EU não vou dizer (bate o pé atrás do balcão) qual a FUNERÁRIA mais l-e-g-a-l de Itatiba!!!

Funerária? Existe algo como uma funerária legal?

Nesta locadora, a câmera de monitoramento interno está quebrada. Só uma funciona. E adivinhem qual? A que monitora a área reservada aos filmes pornôs.
Doce ilusão do rapaz que entrou pela portinhola, seguro que estava livre dos olhares bisbilhoteiros. Só dava ele, escolhendo, virando os DVDS, em close!

Seguro? Só na funerária do Seu Luís!!!

Inté!!

7 comentários:

Anônimo disse...

hahaqhahahahahahahaha... muito bom!! Tive o prazer de conhecer uma das bichinhas, fala sério, o cara é hilário..hahahaha....
Caia

Nana disse...

Sei como é isso. Morei anos em Viçosa e vi de perto esse preconceito contra os gays, que piora porque todo mundo sabe de que família cada um é. Tipo, as fofocas começam sempre com: "sabe fulaninho, filho de beltrana e neto de dona sicraninha...". E olha que Viçosa é cidade universitária, uma roça mais moderninha...

MH disse...

hahahahhaha

a vida deles pode ser mais complicada, mas a leveza e bom humor permanecem...

Mônica Montone disse...

crônica do cotidiano bem gostosa, Tati.

beijos e boa semana, querida

MM

Rubina disse...

Ai como percebo esse preconceito de lugar pequeno. Tudo é uma novidade. E a forma como seguem a vida dos outros?? lol

Garota do Zippo disse...

Pois é, na roça aparentemente tem mais preconceito. No entanto, enquanto isso, tá virando moda nos Jardins umas gangs da vida assassinarem frequentadores da região da R. da Consolação... =S

bjsss

Cláudia disse...

Tati
você fala em Itatiba e eu me lembro de João Neiva, ali, pegadim com Demétrio Ribeiro, separados apenas pela localidade de Rio Clotário.
Roça capixaba, que nos anos 80, pra achar um telefone era um parto.
Só tinha um orelhão dentro da farmácia, que fechava às 18h.
Aí, fizeram um posto telefonico, olha que avançado!
Uma mesa no centro de uma sala, com o telefone no meio, e um monte de cadeiras em volta, para o povo que ficava esperando a vez de usar poder ouvir sua conversa claro!
Imagino se na época existisse videolocadora (nao tinha nem video cassete, quanto mais...), como ia ser?
beijo